Quinta-feira, 19 de Maio de 2005

AINDA O LUTZ E O PCP

Imagens antigas 032.jpg

Caro Lutz,</b>

Qual embirração qual carapuça! Valorização excessiva de buril no cristal da semântica, talvez. Mas, digo, todos os males fossem esse que o que interessa é um bom pretexto para uma boa conversa.

No seu último post você tem razão. Ou, então, esquivou-se à maneira. Eu falei no ressentimento social e na canalização desse ressentimento, o Lutz fala-me na camada de seu contacto. Para facilitar, digamos que se referia ao eleitorado PCP de função “intelectual”, pelo menos, letrada e informada o suficiente sobre o mundo para não se deixar embarretar sobre a história dos malefícios do centralismo democrático. Boa malha. Porque de facto se trata de outro mundo, embora em comunicação de vaso com os deserdados da sorte.

Deixo-lhe, sobre este sub-tema, algumas reflexão como desafio ao seu contraditório:

Primeiro. Uma parte da intelectualidade de esquerda herdou a cultura do Antifascismo (digamos que é muito, demais e ainda, uma esquerda neo-realista) dos tempos em que muita da defesa da cultura, perante o vazio espalhado pelo nosso fascismo boçal e clerical, se panfletava, muitas vezes com enorme talento e excelente disfarce, de defesa de uma causa.

Segundo. O antifascismo, por vontade de identidade e de acção, levava ao Partido. Não se dizia, e em muitos círculos ainda não se diz, o PCP mas sim O Partido. Claro que não havia só o PCP a lutar contra o fascismo mas o grande sacrifício, a grande organização, a grande resistência, os maiores heróis, os mais generosos, os das horas boas e más, estavam no PCP. E para onde quer que um antifascista se virasse na vontade de luta acabava por encontrar uma asa do PCP a dar-lhe ninho e instrumento de luta. Difícil era resistir a esse abraço com um punho levantado que fazia a ponte com a parte segregada e sofredora da sociedade, com as massas. O PCP era, ainda é para alguns, a “família” e a “pertença” de que lhe falou o Miguel. São poucas e honrosas as excepções dos intelectuais que conseguiram um percurso de luta contra o fascismo nas margens do PCP.

Terceiro. O PCP foi e é uma mescla de várias componentes. Entre outras (menores):
– Um operariado (industrial e agrícola) dorido por uma terrível opressão e vindo de estruturas económicas caducas mas protegidas pelo Estado criado por Salazar, de qualificação ao nível da supremacia do trabalho manual, pouco qualificado, cuja socialização, culturalização e politização se faziam pelo Avante, uma biblioteca básica e pelos saraus neo-realistas das colectividades (a alternativa estava na taberna ou na prédica das sotainas). E o Lutz deve saber que, segundo a cartilha, quem estivesse acima desta bitola entrava automaticamente na categoria desconfiante da aristocracia operária, em que a ascensão social e uma maior formação eram vistas como passagem ao reino da terra de ninguém da luta de classes, desqualificando-se em qualidade de firmeza no combate. É esta componente que está na origem do PCP (vindo da corrente anarco-sindicalista), se estruturou na liderança de Bento Gonçalves (o paradigma do operário bom, culto e combativo) e desembocou na regra de oiro da maioria operária na direcção do PCP (hoje, uma completa falácia).
- Uma camada intelectual que fazia cultura na luta (e a isso empurravam a Censura e a PIDE) com a luta no PCP e no seu marxismo-leninismo. Num Partido de representada matriz operária, aquela matriz operária, os intelectuais comunistas cumpriam-se duas funções – por um lado, davam arte e literatura à luta, exprimindo-se no underground do antifascismo; ao mesmo tempo que se redimiam, purgando-se, da sua origem social numa das classes (a inimiga) da dicotomia. No PCP, um intelectual encontrava a luta e o purgatório da sua via sacra a caminho da proletarização, largando a pele do seu pecado original enquanto classe. Tanto que, a mais das vezes, os intelectuais do PCP eram, e são, os mais obreiristas na matriz obreirista da casa. Porque o excesso atalha percursos. E é um casal perfeito um masoquista nos braços de um sádico.

Quarto. Passado o tempo da direcção de Bento Gonçalves, com Cunhal e a réplica serôdia de Carvalhas, a direcção do PCP esteve entregue a intelectuais com um círculo próximo de sustentação de poder interno dominado por fiéis e medíocres que ascenderam na ala operária no tempo da reorganização e da cunhalização do Partido. Entre outros muitos méritos, Cunhal teve o génio de fundir a mescla da composição do PCP, dando-lhe uma identidade de exército de combate de que ele era o Generalíssimo e em que salientou, para consumo interno, a sua ligação profunda às dicotomias da realidade portuguesa e tornando inquestionável a fidelidade sem limites e sem crítica ao PCUS. A herança teórica e intelectual de Cunhal é fraquíssima porque Cunhal foi, sobretudo, o génio da cristalização, da simplificação e da expressão atávica de um marxismo-leninismo português. Mas Cunhal era, além de decidido, corajoso e implacável, um intelectual culto e mestre da mistificação e dos jogos de aparências e da duplicidade. Com Cunhal no poder, ou Cunhal como eminência parda com o fascínio da sua distância pela doença e pela velhice, um intelectual comunista realizava-se e realiza-se, nessa qualidade, através de Cunhal. Quanto ao epifenómeno de Jerónimo, como homem de palha para enfeitar um vazio, ele vale o que vale para o PCP – um tempo de espera em teatro de revista da contestação enquanto se aguarda a hora da orfandade e luto por Cunhal que faz antecipar lágrimas de dor ao mais empedernido e duro militante.

Quinto. Desde o fascismo e a guerra fria, todos os militantes do PCP foram educados no respeito sagrado pela União Soviética e pelo socialismo real. Questionar os bastiões, admitir dúvidas, era claudicar face aos grandes inimigos – Salazar, Estados Unidos, Mário Soares. Para os operários em luta, o remédio era pensarem na próxima greve por melhores salários e como se defenderem da PIDE. Para os intelectuais, era o fascínio pela escolha das fontes, pondo de parte o que fizesse vacilar, a capacidade de olhar sem ver o que se vê, purificar-se entre as tentações, preferir a auto-flagelação da sua origem de classe à subida de risco ao ecletismo e ao espírito crítico.

Sexto, último e mais importante. O PCP tem a suprema glória e proveito de poder de atracção por nunca ter sido poder e que só podia ser poder único. Isso dá-lhe a capacidade de beatificação de se pensar que o PCP, este PCP, o PCP da luta e dos oprimidos, o PCP forjado no combate ao fascismo, ser o PCP a quem devemos a liberdade e a democracia, o PCP que só libertou e nunca iria oprimir. E, neste estado de inocência, vá-se lá dizer ao militante, ao crente na pureza do PCP, que o PCP no poder faria como os outros, porque não há nenhum que consiga fazer diferente – primeiro, enfiava reaccionários, agentes da CIA e sabotadores na prisão, limpando o sebo a uns tantos deles; depois os contra-revolucionários; a seguir, uma parte dos comunistas crentes; finalmente, quem quer que quisesse usar a liberdade mesmo que em dose mínima. Sobretudo, aos intelectuais habituados aos seus ópios. Até porque cada intelectual é um intelectual, ele precisa do seu tempo próprio de decantação. Como não são Poder, deixemo-los poisar, pensando por eles, cada um fazendo as suas sínteses entre inteligência, reflexos condicionados, medo de perda de laços, informação e preconceitos, reconstruindo a sua praxis. Apelo-lhe à paciência, caro Lutz. É a história, meu caro, é a história. E a política, enfim.
publicado por João Tunes às 16:48
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Joo a 20 de Maio de 2005 às 15:44
Ó Raimundo,aquilo não são hieroglifes, são adobes. Obrigado Miguel pela excelente achega.


De Miguel Silva a 20 de Maio de 2005 às 12:45
Grande post, João Tunes.
Tenho argumentado algumas vezes que os processos de acção social dão-se tanto pelo lado das identificações como pelo das diferenciações. É nessa medida que o anti-comunismo do fascismo e o anti-fascismo do comunismo contribuíram e contribuem para as adesões e votações no PCP.


De RN a 20 de Maio de 2005 às 01:37
É pá sou lá algum intelectual para ter de decifrar aqueles hieroglifos que puseste alí à porta pior que "urso" de guarda! Tenho de voltar que isto já é tarde e não vai de uma assentada! Mas estou a gostar. Abraço


De Joo a 19 de Maio de 2005 às 23:14
Aí está, Helena, uma área que domino muito pouco. Tenho uma visão muito local e é, nestas eleições, o meu único voto CDU (as alternativas têm sido de arrepiar). Mas não deixo de estar curioso quanto aos resultados da CDU nas próximas autárquicas, particularmente quanto ao Alentejo.


De Helena a 19 de Maio de 2005 às 20:45

E falta falar do papel dos comunistas nas autarquias. Aí vota-se muitas vezes na pessoa, mesmo independentemente do partido. Mas mesmo votando no partido, a autarquia sai muitas vezes a ganhar - no Porto ouvi falar muito no vereador do PCP que era um caso exemplar de seriedade e competência.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds