Quarta-feira, 11 de Maio de 2005

20 DE MAIO, ATENÇÃO A HAVANA

marth-as.jpg

Um dos pontos chave dos sistemas fechados, de facto ou com ambição totalitária, é a desarticulação da “sociedade civil”. Obrigando que tudo, na sociedade, gravite em torno das estruturas do poder instalado. Essa a forma como se exerce, para além do jogo de aparências, o controlo do aparelho político e do aparelho repressivo (por sua vez, dependentes do partido único) sobre todos os pontos de vitalidade e mobilidade social. É o caso de Cuba.

A libertação dos cubanos, o direito a viverem numa sociedade democrática, só pode (só deve) ser obra dos próprios cubanos. A liberdade não é importável, merece-se e conquista-se. Mesmo quando os seus caminhos são penosos, muito penosos, exigindo criatividade, persistência e coragem para enfrentar a repressão, o desânimo, as divergências e divisões internas.

Cuba não será libertada a partir de fora do seu território. O que um democrata, em qualquer parte do mundo, aquele que entenda que a liberdade e a democracia são bens universais a que os cubanos também têm direito, pode fazer é ser solidário com os cubanos que lutam pelos direitos humanos e pelo fim da opressão. Dando eco às suas vozes, ajudando, pouco que seja, a impedir que o regime castrista imponha uma muralha de silêncio à luta dos combatentes pela liberdade. O resto, o essencial, os contornos da superação do totalitarismo, será única e exclusivamente obra dos cubanos.

A vida de povos sob ditaduras prolongadas, permite que o regime semeie e colha uma cultura de resignação e de impotência que são o efeito mais visível da anestesia pelo sentimento de castração perante uma forma de domínio político e policial que aparentam omnipotência eterna. Sabemo-lo pelos 48 anos de fascismo à portuguesa, também pela forma como as “democracias populares” se mantiveram longos anos em vários países da Europa. Nestes regimes, a única sabedoria política permitida é a arte de obedecer, tudo o resto é perigoso e aparentemente inútil.

Se não é fácil ser-se democrata em Cuba, mais difícil é abanar a sociedade da sua modorra e espalhar as bandeiras das lutas pela dignidade. Difícil mas necessário. Imprescindível para que a sociedade mude e a soberania do povo se instale no lugar da tirania.

No próximo dia 20 de Maio, em Havana, vai realizar-se uma ”Assembleia para Promover a Sociedade Civil em Cuba” numa iniciativa de várias pequenas associações de cubanos residentes em Cuba que não se resignam à ausência de elementares direitos cívicos e políticos. Pretende ser uma plataforma para que a sociedade cubana acorde e se vá levantando na exigência de vida democrática. Não será uma grande iniciativa de massas, como não podia ser nem tal lhe seria permitido. É um passo. Um pequeno passo. Um importante passo.

A iniciativa, a que desejamos os maiores sucessos, é dinamizada por uma Comissão Executiva cujo rosto mais conhecido é a economista Martha Beatriz Roque Cabello (na foto, ladeada por René Gómez Manzano e Félix Bonne Carcassés). O site da iniciativa pode ser consultado aqui.
publicado por João Tunes às 12:24
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds