Quinta-feira, 5 de Maio de 2005

IMPOSTOS

tybee_light[1].jpg

Embora distante daquelas buscas, muito gostei de ler o post cheio de sinceridade e partilha que a Helena colocou. E interessantes são também as trocas de ideias desenvolvidas nos “comentários”, reforçando o enorme respeito que sinto por aqueles que cultivam a autenticidade inquieta da espiritualidade. E que só pode passar pela recusa do conformismo.

Nesse post, a Helena dá conta de um facto que desconhecia – na Alemanha, quem reconheça perante as Finanças que professa uma Religião, passa a descontar para ela. Não me parece má ideia. E pus-me a pensar quanto isso contribui com autenticidade ao se dizer que se é disto ou daquilo. Ou seja, desta forma, deixam de haver opções de borla – se queres ser X, paga-lhe o sustento. Apoiado.

Depois penso numa das atracções favoritas dos portugueses – pagar o menos possível, receber o máximo. Como com o Estado – nada para o malvado Fisco, tudo o que se conseguir em subsídios, subvenções e prestações.

Ligando as duas coisas, quem quer apostar que, se aplicassem aqui, a norma alemã de descontar o dízimo para a Religião agregado aos impostos, a Católica Apostólica Romana perdia logo a maioria absoluta? Experimente-se. Até porque estou à vontade, deste imposto ficava eu livre. Como bom português, só concordo que se faça aquilo que não se tenha de pagar.

Adenda: Como disse, este post foi baseado num outro da Helena, uma "portuguesa alemã" que aqui tomei como boleia nas tantas boleias que costumo apanhar de quem bem escreve e melhor sente. Agora, a não perder, porque os talentos é que são como as cerejas, tenho o privilégio da companhia do testemunho lapidar do incontornável Lutz, um "alemão português", na minha "caixa dos comentários". Obrigado aos dois, estimados ases do volante, que me espevitam o gostar levantar o polegar em apelo de "auto-stop" na faena das palavras frente ao bravo em pontas do pensar. Melhor dito, vocês mais alguns, são o meu borladero. E, pobre de mim, bandarilheiro de "despachar", sem refúgio de borladero, a cornada era mais que certa. Assim, só posso agradecer-vos a falta de comparência na Enfermaria da Praça das Palavras. Olé!
publicado por João Tunes às 12:19
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Joo a 10 de Maio de 2005 às 11:32
Nem tarde nem a más horas. E claro que foi lido.


De Helena a 10 de Maio de 2005 às 10:56
Tarde e a más horas: Obrigada!
Fiz hoje um comentário mais alargado no meu blog, que este comentário provavelmente já não vai ser lido nem sequer pelo destinatário...


De Lutz a 5 de Maio de 2005 às 16:23
O efeito clarificador seria, e é na Alemanha, efectivamente muito saudável.
No entanto, achei um ultraje quando descobri que me tinham descontado, do meu primeiro dinheiro ganho no meu primeiro emprego, não só o IRS mas também o dízimo. E que não bastava mandar uma carta para acabar com isso, não, era necessário deslocar-se em pessoa para o tribunal civil e assinar uma declaração, com BI, assinatura reconhecida etc.
E uma semana mais tarde tocou a minha porta - o padre. Tinha recebido a informação da minha auto-excomungação e queria falar comigo, a ver se não reconsiderasse...


De mfc a 5 de Maio de 2005 às 15:45
De mim não verão um chavo, só por causa de certas coisas...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds