Quinta-feira, 28 de Abril de 2005

OS POETAS NÃO DIZEM ADEUS?

Arresto.jpg

Raul Rivero, poeta e jornalista é, entre os intelectuais cubanos vivos, um dos mais conhecidos. Infelizmente, não pela sua obra. A sua notoriedade prende-se sobretudo com o seu sofrimento por excesso de sombra de falta de liberdade na Ilha das Caraíbas.

Às seis da tarde de 20 de Março de 2003, a polícia política cubana foi a sua casa para o enfiar na prisão (momento registado na foto que ilustra este post). Dia após dia, mais 74 cubanos (jornalistas, outros opositores) acompanharam Raul Rivero nas masmorras cubanas, ultrapassando em mais de trezentos o número dos prisioneiros por delito de opinião. Julgado sumariamente, acusado de conspirar contra o regime castrista a soldo de uma potência estrangeira, Raul Rivero foi condenado a vinte anos de prisão. Como então Raul Rivero já tinha passado dos sessenta anos de idade, a pena aplicada tinha alta probabilidade de se transformar em prisão perpétua, sabendo-se o que se sabe das péssimas condições prisionais em Cuba, dos maus tratos aplicados aos presos e das deficientes condições de alimentação, higiene e assistência médica. Raul Rivero adoeceu e viu a sua saúde a degradar-se dia após dia. Afinal, talvez não fosse prisão perpétua a pena aplicada mas uma mitigada e lenta pena de morte o que o Comandante Ditador pretendia como sorte para Raul Rivero.

No mundo, há quem não silencie os crimes da ditadura cubana. Nem todos metem mordaça na consciência em nome do apego mítico e sentimental às gestas de Che Guevara, Camilo Cienfuegos e Fidel Castro, ao romantismo das façanhas dos rebeldes barbudos do Granma e da Sierra Maestra, à heroificação de quem quer que bata o pé ao imperialismo norte-americano, exigindo-lhes adicionalmente que mereçam o preito devido para com a libertação não dando depois pontapés nas canelas e na cabeça da liberdade, não substituindo uma opressão por outra opressão. Uma enorme campanha internacional, com destaque para os Repórteres Sem Fronteiras, exigiu a libertação de Raul Rivero e dos seus companheiros encarcerados.

No início deste ano, sobretudo como fruto da campanha internacional e das diligências do governo Zapatero, Raul Rivero e mais alguns saíram da prisão em regime de “suspensão de cumprimento de pena”. Não tendo beneficiado de amnistia, Raul Rivero foi “libertado” precariamente com uma “dívida” de 18 anos de prisão por cumprir. Tal “liberdade” em Cuba era insuportável. Uma linha escrita que fosse, uma entrevista que desse, poderia levá-lo de volta ao cárcere sem necessidade de simulacro de julgamento, "apenas para cumprir os 18 anos em dívida". Uma “liberdade oprimida”, pois.

Há pouco tempo, Raul Rivero exilou-se em Espanha. Tem convites vários para escrever em jornais espanhóis. Afirmou que não quer ser “bandeira” nem concentrar a sua vida na actividade política. Diz não esquecer os seus companheiros ainda encarcerados, nem os demais que, na sua pátria, não conseguem respirar a liberdade. Provavelmente, a sua poesia vai florescer e vai enriquecer-nos com os seus poemas. Talvez agora, Raul Rivero venha a ser, finalmente, mais conhecido e reconhecido por aquilo em que ele é mais talentoso – como poeta e como jornalista. Só por isso, valeu a pena a persistência dos que, politicamente incorrectos face ao maniqueísmo de uma certa forma de se ser de esquerda, lutaram para que Raul Rivero pudesse escrever em liberdade. Pese embora, o limite dessa liberdade, pois o que Raul Rivero melhor conseguiu, no seu direito a ser um homem livre e digno, foi passar de prisioneiro a exilado, arredada que está a possibilidade de ser, nos tempos próximos, um cubano livre em Cuba.

Luís Cino, um amigo e companheiro de Raul Rivero, jornalista também, diz que não se despediram quando ele abandonou Cuba a caminho do exílio espanhol. E di-lo em palavras que dizem muito:

“Não houve despedida. Os poetas não dizem adeus quando partem. A sua poesia fica sempre, acompanhando-nos.”

(quem quiser ler o artigo de Luís Cino sobre Raul Rivero, consulte aqui)

Adenda: Este post teve direito a destaque aqui. Agradecido.
publicado por João Tunes às 12:57
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Joo a 29 de Abril de 2005 às 12:33
Pela minha parte, obrigado pela dica sobre o livro de José Lazama Lima.


De JG a 28 de Abril de 2005 às 14:11
Fidel não vai durar sempre. Mas os seus crimes contra a liberdade de expressão e opressão dos intelectuais e povo cubanos, vão ficar na história para sempre. Quem leu "Paradiso" de José Lezama Lima (que sofreu uma perseguição atroz até à sua morte, em Havana) jamais esquecerá. Raul Rivero, como tantos outros exilados cubanos, embora não queira, irá ser mais uma voz de denúncia das ignomínias do regime castrista. Obrigado pelo testemunho.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds