Quinta-feira, 21 de Abril de 2005

AI TIMOR !

coverpic_90999[1].jpg

Num post intitulado ”A colónia do Vaticano”, Vital Moreira diz:
”Em Timor a Igreja Católica, com os bispos à frente, lançou uma ofensiva de rua contra o Governo, exigindo a manutenção do ensino obrigatório da religião católica nas escolas públicas e a cargo do Estado. Apesar de a Constituição estabelecer a separação entre as igrejas e o Estado e não reconhecer nenhum privilégio à Igreja católica, esta não abdica de parasitar o Estado e de colocá-lo ao seu serviço. Onde pode, a Igreja Católica instrumentaliza o poder público.”

Concordo com VM e acrescento: não era nada que não se esperasse (a explosão do fundamentalismo católico em terras timorenses).

Por regra, a Igreja quando se encosta a uma causa, obtendo disso prestígio, irá, mais tarde ou mais cedo, procurar privilégios de totalitarismo de Fé. As sotainas raramente evangelizam à borla. Sobretudo se houver martírio ou alucinações de pastorinhos pelo meio. E medos, os tremendos medos humanos, a rentabilizar. Não julgo que seja por mal, mas apenas pela genética totalitária que lhe está na massa da história. Talvez, por esta mesmíssima marca, é que o Vaticano tão bem soube entender e derrotar um totalitarismo rival (e tanto contemporizou, ou pecou por omissão, com os “totalitarismos amigos” – o nazismo e as modalidades de fascismo).

O martírio de Santa Cruz, a nobelização de Ximenes, o fervor católico como refúgio de esperança dos timorenses deserdados da dignidade (que Portugal oportunisticamente aproveitou com o uso do sempre oportuno Melícias), o branco vestido e estendido pelos remorsos carpideiros da antiga potência colonial quando encontrou um outro demónio a quem se transferissem culpas, foram ases que entraram nas cartas clericais desse jovem e pobre Estado. Para se jogarem mais tarde, com a batota óbvia mas escondida de quem tem mais ases que naipes.

Enfim libertos das opressões portuguesa e indonésia, os timorenses têm precariedade de meios para se libertarem de outras cangas mais. De olho vivo e terço afiado, lá está o fundamentalismo católico a cobrar a identificação construída de Timor com uma Fé – a pretensamente Única. Resta-me acreditar mais - mera esperança voluntarista - no poder de libertação de um povo que no poder de domínio dos exclusivistas. Mas, confesso, acredito por acreditar, iludindo-me no esquecimento da força da razão da força.
publicado por João Tunes às 16:44
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Joo a 21 de Abril de 2005 às 23:53
O Estado timorense, segundo a Constituição em vigor, é um Estado Laico. Não existe é, por parte da Igreja, vontade de abdicar do fundamentalismo adquirido. Ali, temos uma Igreja subversiva, portanto: Abaixo a Igreja subversiva!


De IO a 21 de Abril de 2005 às 22:41
Por um Estado Laico!


De Werewolf a 21 de Abril de 2005 às 18:30
Aí está mais uma porta para combater a "ditadura relativista" quantas mais se abrirão?. Abraço


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds