Terça-feira, 12 de Abril de 2005

PUDOR

Electroz.jpg

1965. Salazar ainda vivo e activo. Aljube, Caixas e Peniche em eficiente funcionamento. PIDE acordada. Jovens portugueses e jovens portuguesas em Moscovo, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Clandestinos e clandestinas, PCP. Que tempo sugere isto? Que memória traz da enxurrada que não se pode apagar? Porque é de História que se trata, meus caros.

Que alegrias de conforto e de destempero juvenil, ou fogo juvenil com uma necessidade maluca de namorar, podiam ter três jovens portugueses clandestinos em Moscovo num trânsito de formação política na pátria do socialismo com o objectivo único de voltarem ao País para uma luta mais preparada e mais retemperada contra o fascismo. Em que tudo, TUDO, se arriscava? Sobretudo, como era o caso, em que a “tarefa” era dirigir a luta armada contra o aparelho repressivo-militar-colonialista do fascismo luso.

O Raimundo Narciso partilhou um testemunho cheio de frescura. E como o nome mágico da Estação ELECTROZAVODSKAYA (do metropolitano de Moscovo) acabou por ser tão banal como hoje é ouvirmos Rotunda nas voltas por baixo da terra na lusa capital.

Diz-se, não sei porquê, que as damas costumam ser mais pudicas que os cavalheiros. Quando oiço isto, torço o nariz de desconfiança. Porque me cheira a estereótipo construído. Com alguma razão, como se vê. Em tempos, uma companheira destas andanças juvenis do Raimundo, a Maria Machado, falando dos mesmos tempos (num depoimento que já transcrevi no meu blogue e que pode ser lido aqui), não teve hesitações em escarrapachar, preto no branco, que foi ali e naquele tempo, que ela iniciou a sua ligação amorosa com o Raimundo e que continua viva, agora na fase bonita de espalharem netos pelo mundo (o primeiro já cá canta). Curiosamente, neste relato, o Raimundo dá voltas e mais voltas, mete música, restaurantes e até compras, mas encolhe-se naquilo que se adivinha como a parte melhor dos passeios pela Meca do socialismo. O que vale, ó Raimundo, é que a gente te topa. Então, tu és capaz de gamar uma Estação à CP, acartando com a do Pinhão para Torres Vedras, e não tens a lata suficiente que dizeres que foi na Estação de Electrozavodskaya que tu e a tua gentil companheira constituiram um gang dedicado a roubarem o coração um ao outro?
publicado por João Tunes às 17:42
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Joo a 13 de Abril de 2005 às 14:59
Obrigado pela sugestão, th, mas eu não necessito dessa viagem virtual. Conheço, ao vivo, Moscovo e o seu Metro. E até sei da história da sua construção. Quem o fez, quem o mandou fazer e para quê foi feito. E acontece que a origem das coisas às vezes estraga a adoração pelas coisas. Mas eu não quero, não devo, manchar o fascínio das memórias juvenis de dois bons amigos. Três amigos, melhor dizendo, contando consigo. Abraço.


De th a 13 de Abril de 2005 às 12:47
Não sei se conhece o site, imperdível, não deixe de visitarhttp://www.beeflowers.com/Metro/-Startfiles-/index.htm. Beijo e boa viagem


De IO a 12 de Abril de 2005 às 21:22
Isso mesmo, João, História! E já tive a honra da sua visita! _ beijo para ti, que me puseste na estrada dela, uma maçarica..........lol


De Joo a 12 de Abril de 2005 às 19:32
Decepção. Desde que ando na blogosfera já o transcrevi duas vezes nos blogues em que me tenho cansado a teclar. Prova que és maçarica na leitura dos meus notáveis e célebres blogo-escritos. Ainda bem, acrescento, senão já te tinhas cansado... Falando sério, o depoimento da Maria Machado é de facto notável - pela vida ali metida e pela espontaneidade viva, tranquila e autêntica como ela fala, com ternura e vontade positiva, a atravessar uma experiência tão dura. O que nós todos, os democratas do voto, devemos a mulheres de abnegação modesta como a minha querida amiga Maria Machado... (e ao Raimundo e outros...) Sei que ela é leitora aqui do meu blogue (mulher de silêncios sábios, talvez ainda a história das "companheiras", não se mete ao barulho mas dá-me um grito amigo cada vez que ameaço acabar com este vício). Se os olhos dela andam por aí, um beijo para ela e outro para ti.


De IO a 12 de Abril de 2005 às 18:18
Já dá e, a ti, digo também obrigada pelo link da Maria Machado, muito interessante! _ beijo, IO.


De Joo a 12 de Abril de 2005 às 17:53
Estão sim senhor! Vontade de dizer mal! (não estavam mas já estão...) Bolas que nem deixam arrefecer a peça...


De IO a 12 de Abril de 2005 às 17:49
Eh, pá, os links não estão a funcionar, João!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds