Quarta-feira, 6 de Abril de 2005

IBM

images[72].jpg

Por vezes, a história perde páginas (algumas irrecuperáveis) pelo silêncio dos testemunhos. Umas vezes por atraso de preguiça ou de pudor. Outras pela raiva do desconsolo quando ela é mais forte que o dever de olhar atrás para melhor se ver em frente.

Acho eu que a intervenção pública (a política é isso mais tudo o que parece apolítico), quando tal se escolhe ou para tal se é escolhido, mormente ambas, não deve ser um entrar e sair pela surra. Quando alguém se atreve (e, idealmente, todos se deviam atrever) a mexer no destino colectivo, a fazer bem e útil ou a espalhar asneiras, perde-se o direito a silenciar as marcas deixadas, por muito indeléveis que sejam. Nesses casos, o anonimato ou o escuro do bastidor é uma falta de respeito pela memória colectiva que é a substância e objecto principal da história. História que, infelizmente, será sempre coxa, uma aproximação por tentativas, porque há sempre alguém que se encolheu a narrar ou a registar.

Li agora uma evocação que o Raimundo Narciso partilhou sobre Barros Moura, o homem que desde os tempos de estudante coimbrão arrastou consigo a alcunha de IBM (Inteligente Barros Moura). Lutador contra o fascismo, obreiro do 25 de Abril, comunista de mal com o PCP, depois socialista de mal com o PS (quando o caso Felgueiras deu no que deu, já BM tinha desaparecido para ser reconhecido que ele tinha razão no tempo em que se podia evitar a continuação dos estragos fatimistas), jurista brilhante e professor universitário, com um enorme poder de dominar a palavra em oratória de sedução, sindicalista e parlamentar. Sobretudo, homem de enorme inteligência e cultura. Principalmente, um lutador e um homem íntegro. No meu caso, também um meu camarada de lutas comuns.

Registo que o Raimundo Narciso não faltou ao seu dever de dar o testemunho devido para com a memória de um democrata com marca forte na construção de caminhos de futuro. A ler. Está lá uma parte da figura de Barros Moura e uma parte também das vicissitudes em que a luta e a democracia também foram tecidas, sobretudo quando não houve encolhimento perante o politicamente inconveninte, em que a irreverência da fase juvenil adquirida a escaqueirar o fascismo não se perdeu na fase adulta quando se tratou (ou se trata) de enfrentar os monolitismos partidocráticos que ameaçam retirar-nos a decência de homens livres. Neste caso, na margem esquerda do rio, que é de onde a luta pela liberdade nunca deve sair, mesmo quando leva com a picareta da felicidade igualitária.
publicado por João Tunes às 11:19
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Joo a 7 de Abril de 2005 às 23:02
As Astúrias vêm a caminho ...


De RN a 7 de Abril de 2005 às 01:58
Então meu caro! que tal as Astúrias? Boas as férias. Obrigado pela referência e o link.


De Werewolf a 6 de Abril de 2005 às 17:18
Merecida homenagem ao IBM.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds