Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005

PENSANDO O MEDO (2)

Catiaaltavolo[1].jpg

Os sistemas fechados e de sentido único, e porque o ser humano é – por natureza – aberto, geram patologias de consolidação e sobrevivência. Negando, se for caso disso, qualquer hipótese de elevação da condição humana. Mesmo, ou sobretudo, quando quer redimir a desigualdade que amarra o homem à sua condição racial ou social. Porque a lidar com as contradições, a força do poder, qualquer força de poder, prefere os atalhos da redenção pela punição que lidar com as veredas das diferenças. Quem quer, quando pode, deitar fora a eficácia ao serviço do instinto de sobrevivência que tantas vezes se confunde com o instinto do domínio?

Quem se amanha melhor na limpeza dos atalhos das contradições e dos desafios sobre os caminhos, ainda por cima a lidar com a infinita desigualdade dos sentires humanos, são os sistemas totalitários, ou seja, aqueles que dão um sentido único à história e ao futuro do povo. Em nome do homem novo - seja ele o eleito por superioridade de nascimento na raça certa (no fascismo) ou o liberto dos laços das diferenças sociais (no comunismo). Num caso e noutro, a pertença a servir de separador entre o domínio e a servidão. Com uma nuance – no caso do fascismo, a origem (biológica, social) tudo determina; no caso do comunismo, dá-se a opção entre pertencer a uma elite redentora (a vanguarda) com poder de exclusão ou ser excluído. Num caso e noutro, quando no poder, com pulsão para exercer o genocídio – por critério biológico ou por critério social. E, quantas vezes, eles se aproximaram na forma. Tirando a geografia e a natureza das vítimas, há coisa mais parecida com Buchenwald ou com Tarrafal que um qualquer campo do Gulag?

Num caso e noutro, os excessos totalitários, além de tecnocracia de extermínio da diferença, sempre tiveram uma função de exemplo à sociedade como sinal de destino inelutável, fosse a meta da raça pura ou da igualdade social absoluta – o medo do preço da exclusão. Vincando que qualquer recusa de alinhamento tinha o eco de uma recusa de corte, logo a passagem para o lado do inimigo. E como eles sabem lidar com os inimigos. Ou com o medo, se preferirem.
publicado por João Tunes às 16:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds