Sexta-feira, 29 de Abril de 2005

UMA ESTÁTUA PARA ENVERGONHAR COIMBRA (e não só)

i8_0000u[1].jpg

Tendo lido a crónica de Fernando Rosas (sim, é claro, também leio os bloquistas…) na sua crónica desta semana no Público, dei-me conta da inauguração em Coimbra, com pompa e circunstância, na coimbrã Praça dos Heróis do Ultramar, de uma estátua de enaltecimento guerreiro aos feitos portugueses na guerra colonial. Segundo Rosas, a estátua mete uma G3 nas unhas de um soldado de bronze, ao mesmo tempo que este segura, na outra mão, um pretinho (decerto salvo da sanha de recrutamento de um turra). A cerimónia foi presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Coimbra – Carlos Encarnação (PSD), também ele um antigo combatente (sei-o por prefácio lido em livro de memórias de um Coronel na reserva). Para não deixar de dar lustro à cerimónia, uma Brigada do Exército prestou honras e a Banda Militar da Região Norte tocou a preceito as marchas do costume. A notícia do evento, vinda no Público, tinha o título solene e apologético de ”Uma estátua contra o esquecimento”. Nem menos.

Esta é uma peça, serôdia mas perigosa, do processo do revisionismo sobre o colonialismo e a guerra colonial. E é de somenos saber-se se o modelo do soldado guerreiro imortalizado em Coimbra foi algum comando do “massacre de Wiriamu”, um fuzo da invasão da Guiné-Conacri na Operação ”Mar Verde” ou um desgraçado fardado à força e metido em beligerâncias defensivas da sua pele e próprias da tropa macaca. Quem sabe até se o escultor se inspirou em alguma fotografia minha perdida e do meu tempo de guerreiro na Guiné. Conta, mais que o modelo, a intenção e a visão histórica pretendida. Ou seja, o prolongamento, passo a passo, da estratégia montada por Paulo Portas, quando Ministro da Defesa, em virar a história colonial de pernas para o ar, dando alento ao orgulho castrense na sua participação numa guerra de conservação de conquista. Querendo fazer esquecer o óbvio – que devemos a liberdade do 25 A exactamente porque aquela foi uma guerra sem honra, contra a história e sem vitória possível. Uma guerra tão absurda, tão absurda, que transformou oficiais colonialistas em oficiais anti-fascistas.

Eles não desarmam. Desarmamos nós, os Outros?
publicado por João Tunes às 17:51
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. UM ÁS DO CASTRISMO

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. SOBRE A EDUCAÇÃO TESTEMUN...

. ENTÃO, O QUE TENS FEITO ?

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. O QUE TEM DE SER A EUROPA...

. QUE FORÇA É ESSA?

.arquivos

. Setembro 2007

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub